Prémio

EscOlar

AEPC2019

enviado a | 07.06.2019

Escola Secundária de Tomás Cabreira

Equipa: Cont'Arte em Artes Performativas - PAE 2 - Grupo2

cont'arte em artes performativas - pae 2b grupo 2

Descrição

Ciente da importância de conservar e divulgar o nosso Património Cultural, o Agrupamento de Escolas Tomás Cabreira lançou, no início do ano letivo, um projeto multidisciplinar de descoberta e interpretação de diversos autores (alunos e professores) do nosso Agrupamento, O CONT'ARTE.

Sendo a Escola Secundária de Tomás Cabreira uma escola centenária, passaram pelos seus corredores muitos nomes que se foram notabilizando, como Zeca Afonso, Casimiro de Brito, Mário Zambujal, Carlos Augusto Lyster Franco, Luís Campião, entre outros.

Os trabalhos a concurso assentam no projeto transdisciplinar desenvolvido por uma turma do 2.º ano, do curso profissional de artes do espetáculo, de leitura, análise e interpretação de textos dramáticos de um autor Cont’Arte.

Foi escolhido Luís Campião (Portimão, 1974- ) por pertencer a um grupo emergente de jovens dramaturgos portugueses, fazer parte do Cont’Arte, ser ator, encenador, pensador… e ter sido professor da turma.

O vídeo a concurso para a vertente do património cultural português, “Micropeça Liberdade”, ilustra em três minutos a performance artística criada para assinalar os 45 anos da Revolução do 25 de Abril e que foi baseada na obra homónima de Luís Campião. A performance questiona o tempo da ditadura, do proibido, de um povo que se construía com o medo do sentir, do tocar, do falar. Simultaneamente mostra indivíduos que ousam desafiar os limites ao se aproximar, tocar e abraçar. Tentam e descobrem que “(…) Foi bom. Outra vez… outra vez… outra vez.” Enquanto isso há uma multidão que circula sem se ver, com medo de se tocar…

O vídeo a concurso para a vertente do património cultural europeu, pretende destacar o projeto “Palco de Babel – uma áudio peça” (baseada na obra homónima premiada e que pode ser lida na íntegra em http://luiscampiao.pt/portfolio/babel/, consultado a 06/06/2019) que foi levado à cena no presente mês pelos alunos.

Por opção de encenação na disciplina técnica de Voz, os espetadores foram levados até à cave da Escola. Aí, de olhos vendados, “assistiram” à peça, sendo depois conduzidos pelos alunos-atores a refletir e debater… a pensar e discutir…

A Europa tem um património histórico alicerçado em vagas sucessivas de povos que no perpassar de milénios aqui convergiram. A Europa é, assim, um espaço que resulta da fusão cultural de inúmeros povos. Negar isto ou transformar a Europa num bunker é renunciar aos valores mais significativos que constituem o património cultural europeu: a solidariedade, a permuta cultural, a tolerância, o respeito pelo outro, que sendo “o outro” se transforma no “eu”, em NÓS, em todos nós.

A 2 de setembro de 2015, a fotografia de Alan Kurdi, um menino sírio de 2 anos, encontrado de cara para baixo sobre a areia de uma praia tornou-se viral. Alan Kurdi perdeu a vida num daqueles frágeis barcos, lotados de refugiados, que atravessam o Mediterrâneo à procura de um futuro, de uma vida…

Partindo deste acontecimento, Luís Campião escreveu “O Palco de Babel (premiado pelo INATEL em 2015) e que é apresentado a este concurso num vídeo de três minutos do espetáculo apresentado pelos alunos em junho de 2019. A performance artística completa pode ser vista/ouvida em https://www.youtube.com/watch?v=f0l1u9ERd_E&t=333s.

Sobre o autor (ver http://luiscampiao.pt/, consultado a 06/06/2019)

PEÇAS DE TEATRO

Escreveu as peças A Cova dos Ladrões (2010); Nossa Senhora da Açoteia (2012); O Menino da Burra (2013); Palco de Babel (2015), A casa no fim de tudo (2018), e as peças curtas Parabéns (2012), O Sabor da Pedra (2014), e Notícia (2016).

PRÉMIOS E DISTINÇÕES

Foi distinguido, em 2012, com o Prémio Luso-Brasileiro de Dramaturgia António José da Silva, e o Primeiro Prémio do Concurso de Textos Teatrais do TUP -Teatro Universitário do Porto com a peça Nossa Senhora da Açoteia. Em 2013 recebeu uma Menção Honrosa no Concurso Inatel – Novos Textos com a peça O Menino da Burra e, em 2015, conquistou o Primeiro Prémio do Concurso Inatel – Novos textos com a peça Palco de Babel.

PRODUÇÕES

A Cova dos Ladrões, Nossa Senhora da Açoteia e A casa no fim de tudo, foram levadas à cena pela ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve em 2010, 2014, e 2018, respectivamente. Palco de Babel foi levado à cena, em 2016, no Teatro da Trindade, em Lisboa, com encenação de Laura Avelar Ferreira e interpretação do Grupo Dramático e Recreativo da Retorta (Valongo). O Menino da Burra estreou em 2016, no Teatro Lethes, em Faro, com encenação de Luís Campião, interpretação de Bruno Martins / Luís Campião e música de Samuel Pilar. Nossa Senhora da Açoteia, estreou no Brasil, em Belo Horizonte, em 2016, com encenação e interpretação de Adyr Assumpção e produção Comédia de Arte Produções. As suas peças curtas, Parabéns e O Sabor da Pedra, foram lidas, respectivamente, nos eventos ‘Leituras no Mosteiro’ com produção do Teatro Nacional S.João, Porto (2012), e ‘Saída de Emergência’ com produção da Companhia Um Coletivo, Lisboa (2014). Os seus textos encontram-se publicados em Portugal pela Companhia das Ilhas, Chiado Editora e Fundação Inatel, e no Brasil pela Fundação Funarte.

OUTRAS ATIVIDADES

Entre 1996 e 2018, trabalhou como ator com os encenadores Polina Klimovitskaya, Denis Benard, Julio Castronuovo, David Wheeler, Luís Varela, Joana Providência, José Wallenstein, Mário Barradas, Júlia Correia, Gil Nave, Inês Vicente, e as companhias Teatro Experimental do Porto, Teatro Nacional S.João, Meta-Mortem-Fase, Sete Pés, Teatro das Beiras, Al-Teatro, Baal 17, entre outras. Como encenador dirigiu textos de Sarah Kane, Alberto Adellach, Ester Gerritsen, Fausto Paravidino, Tennessee Williams, Bertolt Brecht, Anton Tchekhov, Eurípides, Samuel Beckett, entre outros. Divide a sua actividade de escritor de palco, com a de actor, encenador, docente e formador. Colabora pontualmente com a ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve, o Serviço Educativo do Teatro das Figuras, e o Agrupamento de Escolas Tomás Cabreira, Faro.

património nacional

património europeu